FANDOM


English version at Asses

Hoje chegou à minha atenção (e com isso eu quero dizer que li no jornal) que, na onda da reclamação de ciclos escolares, alguns pais em São Gonçalo resolveram reclamar dos novos materiais didáticos também, já que não tinham nada melhor pra reclamar (Como, sei lá, que maioria das crianças em escolas públicas mal saberem ler).

O problema com eles (Os livros) é um exercício sobre folclore brasileiro, em que os alunos são levados a repetir uma célebre brincadeira, que de tão maliciosa, perniciosa e provavelmente não-educativa, eu gostaria de me abster de escrevê-la, mas não posso: "Fui andando por um caminho. Eram três, comigo quatro. (...) Encontramos três burros, comigo quatro".

Imagine a revolta dos pais dos alunos tão maltratados por este infame conjunto de palavras. Ou, se é preguiçoso demais para imaginar por si mesmo, permita-me. Eles provavelmente gritaram, bateram em portas e pularam na frente do dos humildes diretores das escolas, isto se eles não foram diretamente ao secretário de educação, ao governador, ao presidente!

Sim, admito que estou exagerando. Mas pense nas conseqüências que a revolta desses pais pode ter. Primeiro, serão banidos estes perniciosos livros de todo ambiente escolar, e qualquer menção a outra brincadeira infame incrustada forçosamente em nossa cultura nacional será terminantemente proibida.

E depois, outros livros que, maliciosos, forcem as crianças a se auto-insultar serão censurados, proibidos, queimados! Posso imaginar os pais falando: "Olha fio, eu num sei direito que cês tão falano não, mais eu minha patroa lemo o título dessa reportage, e nem nos preocupamos em lê o resto, inda mais purquê nós demorô vinte minuto pra lê o título, imagina aquelas letrinha miudinha! Intaum nós arresorvemo queima esse livro aqui ó."

E ele vai mostrar uma cópia de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Não, dessa vez não estou exagerando. "Como não?" você deve estar se perguntando, ou mais propriamente, me perguntando, só que eu não estou aí com você, não é? Bem, vou te responder mesmo assim, já que eu acho que não é educado deixá-lo sem resposta, estando aí ou não.

O fato é que neste outro pernicioso exemplo da cultura nacional, o leitor, se estiver lendo em voz alta, é manipulado a dizer que é um "defunto autor". Ora! Como ousa! Como o provavelmente não-educativo autor deste livro pode dizer uma coisa dessas?

Já posso imaginar os pais bradando contra o livro: "O aluno não pode ser chamado de defunto. A escola deveria levantar a auto-estima da criança e não desestimular o aprendizado." diriam especialistas. Ou mesmo "Ele já teve dificuldades na alfabetização, se ainda for chamado de defunto, vai ser convencido de que não consegue aprender." diriam as donas-de-casa, desesperadas com a educação de seus filhos.

Ora pois, não me chame de ridículo. Todos nós, em nossa cultura sedenta de livros de auto-ajuda sabemos que se você repetir uma coisa em voz alta suficientes vezes, você acreditará nesta coisa. "Como não?" agora eu pergunto a você. Apenas repita "Eu não quero mais continuar lendo isso." três vezes. Assim não preciso nem concluir essa história.

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.